Institucional

Caixa Económica

Os Serviços Sociais da Polícia de Segurança Pública concedem ao abrigo da Portaria n.º 19040/962, de 22 de fevereiro - Regulamento da Caixa Económica da PSP, empréstimos aos seus beneficiários.

Segundo o regulamento, existem dois regimes de crédito:

1.º - Regime Geral, que aponta para um montante máximo equivalente ao rendimento líquido do beneficiário;

2.º - Regime Excecional, justificado pelo motivo e natureza da necessidade subjacente ao pedido, onde o montante a emprestar pode ultrapassar o rendimento líquido do beneficiário e o período de liquidação pode ser alargado.

 

 

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

EMPRÉSTIMO - REGIME GERAL

  • Empréstimos Regime Geral (valor idêntico ou inferior ao vencimento liquido mensal e prazo de liquidação igual ou inferior a 12 meses):
  1. Modelo 50 previsto no art.º 13.º do Regulamento da Caixa Económica (a remeter via hierárquica para elementos no ativo);
  2. Formulário Autorização de débito direto (sempre exigido, mas apenas intervencionado em situações de ausência de vencimento: licenças sem vencimento, missões, entre outras);
  3. Cópia CC/BI/Contribuinte (caso não autorize a reprodução nos termos do nº 2 do Art.º 5º da Lei nº 7/2007, de 5 de fevereiro, em sua substituição: Declaração escrita sobre compromisso de honra, com os elementos identificativos e fotografia);
  4. Cópia do último recibo de vencimento (a contabilização do valor líquido mensal é feita através do somatório dos abonos e descontos efetuados, referente exclusivamente ao mês de processamento, excluindo os valores referentes aos serviços remunerados, os subsídios de férias e natal);
  5. Mapa de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal (pode ser obtido através da Internet através das credenciais para acesso ao Portal das Finanças – relevante porque assinala as declarações de insolvência emitidas pelos Tribunais);
  6. Comprovativo de IBAN.

EMPRÉSTIMO - REGIME EXCECIONAL

  • Empréstimos Excecionais (Tratando-se de pedidos que excedam o vencimento mensal líquido dos peticionários, além do envolvimento solidário do CÔNJUGE ou unido em situação análoga, passou a ser exigida a garantia FIADOR cujas idoneidades serão aferidas pela remessa necessária de idêntica documentação):
  1. BENEFICIÁRIO/PETICIONÁRIO

1.1   Modelo 50 previsto no art.º 13.º do Regulamento da Caixa Económica (a remeter via hierárquica para elementos no ativo);

1.2   Formulário Requerimento;

1.3   Formulário Autorização de débito direto (sempre exigido, mas apenas intervencionado em situações de ausência de vencimento: licenças sem vencimento, missões, entre outras);

1.4   Cópia CC/BI/Contribuinte do peticionário e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável (caso não autorize a reprodução nos termos do nº 2 do Art.º 5º da Lei nº 7/2007, de 5 de fevereiro, em sua substituição: Declaração escrita sobre compromisso de honra, com os elementos identificativos e fotografia);

1.5   Cópia dos três últimos recibos de vencimento do peticionário e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável;

1.6   Mapa de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal do peticionário e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável (pode ser obtido através da Internet através das credenciais para acesso ao Portal das Finanças – relevante porque assinala as declarações de insolvência emitidas pelos Tribunais);

1.7   Comprovativo de IBAN;

1.8   Nota de liquidação do IRS do peticionário e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável;

1.9   IRS do peticionário e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável;

1.10         Comprovativos dos encargos fixos mensais (obrigatórios: habitação, equipamentos escolares, água, luz, gás, tv, internet, telefone, condomínio);

1.11         Comprovativo das situações que pretende liquidar com o empréstimo dos SS.

  1. FIADORES

2.1   Formulário Declaração de fiador

2.2   Formulário Autorização de débito direto do fiador;

2.3   Cópia CC/BI/Contribuinte do fiador e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável (caso não autorize a reprodução nos termos do nº 2 do Art.º 5º da Lei nº 7/2007, de 5 de fevereiro, em sua substituição: Declaração escrita sobre compromisso de honra, com os elementos identificativos e fotografia);

2.4   Comprovativo de IBAN;

2.5   Cópia dos três últimos recibos de vencimento do fiador e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável;

2.6   Mapa de Responsabilidades de Créditos do Banco de Portugal do fiador e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável (pode ser obtido através da Internet através das credenciais para acesso ao Portal das Finanças – relevante porque assinala as declarações de insolvência emitidas pelos Tribunais);

2.7   Nota de liquidação do IRS do fiador e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável;

2.8   IRS do fiador e do cônjuge ou unido em situação análoga caso aplicável;

2.9   Comprovativos dos encargos fixos mensais (obrigatórios: habitação, equipamentos escolares, água, luz, gás, tv, internet, telefone, condomínio).

 

 

Para mais informações e pedidos de empréstimo contacte o número 21 861 80 61/09.

Cofre de Previdência

O Cofre de Previdência  proporciona o pagamento de um subsídio por morte aos herdeiros dos subscritores.

O montante a receber é apurado de acordo com os descontos efectuados ao longo dos anos de serviço.

Responsável: Chefe Principal Armando Santos
Horário: Segunda-feira: 9h30 às 13h00 e 14h00 às 17h00
Contactos: 218 618 031/51
E-mail  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Apoio ao Aposentado

btop-aldeiabeneficiarios

vieira-leiria

 
 
A tendência para o aumento da longevidade traz em si, uma crescente dimensão dos problemas, com as implícitas consequências na dinâmica da família, da sociedade e dos custos económicos e sociais. 
 
É neste contexto de preocupação e responsabilidade social, que os Serviços Sociais da PSP, enquanto instituição vocacionada para a promoção do bem-estar dos seus beneficiários, reestruturaram as instalações de Vieira de Leiria, com o objectivo de concentrar as valências necessárias num só espaço.
 
Estes novos constrangimentos implicam que se encontrem estruturas de apoio aos mais velhos, planeando assim, uma acção interventiva e de forma integrada às necessidades desta faixa etária, em situação de alguma dependência e/ou isolamento social. 
  
Assim, a Aldeia dos Beneficiários passará a ser constituída pelo Hotel de Férias (Turismo), pela Unidade Residencial e por um Lar de Idosos (Equipamentos de Apoio Social).

mapa

 
 
 
 
Vieira de Leiria
é uma das três Freguesias
que compõem
o concelho
da Marinha Grande.
 
Dista 14Km da sede
do concelho, situando-se
na margem esquerda do rio Lis
e próximo da sua foz,
no extremo norte
do Pinhal de Leiria. 
 
 
 

btop-larO Lar é uma valência dotada de meios humanos especializados para o efeito, com capacidade para 40 beneficiários, com tipologias de quartos duplose individuais. Os beneficiários têm ao seu dispor vários recursos, tais como:

  • Actividades de Animação;
  • Acompanhamento Médico e Social;
  • Cuidados de Enfermagem;
  • Biblioteca;
  • Gabinete de Estética;
  • Refeitório;
  • Ginásio;
  • Circuito de Manutenção Geriátrico;
  • Horta e Jardim Comunitário (em desenvolvimento).

O Lar destina-se a aposentadosem situações de isolamento social e risco de perda de autonomia.
Os beneficiários têm ao seu dispor uma equipa técnica, que visa dar resposta a todas as necessidades, composta por:

  • Assistente Social;
  • Enfermeiro;
  • Animador Sócio-cultural;
  • Auxiliares de Ação Médica. 

btop-unidadeA Unidade Residencial pretende ser uma modalidade de alojamento temporário ou permanente, para beneficiários com total autonomia. A mensalidade inclui:

  • Água;
  • Eletricidade;
  • Gás;
  • Limpeza Semanal;
  • Ginásio;
  • Circuito de Manutenção Geriátrico;
  • Horta e Jardim Comunitário (em desenvolvimento  e conforme disponibilidade).

Os beneficiários podem ainda usufruir de outros serviços, nomeadamente lavandaria, médico e refeitório, pagando um valor adicional ao contratualizado no alojamento uma vez que são considerados serviços extra. Neste tipo de alojamento estão disponíveis 19 apartamentos, dotados de quarto, kitchenette, sala e casa de banho, com tipologias que vão desde o T0 até ao T2.


 

 

 

Casas de Coabitação Social

Os SSPSP disponibilizam em Lisboa diversos apartamentos dotados de equipamento básico prioritariamente destinados a acolher temporariamente (períodos até 1 ano) elementos recém-formados na EPP, para habitação partilhada, em função da respectiva tipologia, garantindo assim as necessárias condições de habitabilidade e bem-estar e um adequado enquadramento social a funcionários policiais em início de carreira, a preços significativamente abaixo do mercado local.

As Casas de Coabitação Social visam um triplo objetivo: reduzir as despesas com alojamento dos beneficiários titulares, em início de carreira ou deslocados ou outros que por circunstâncias diversas careçam de residência; prover as condições mínimas de habitabilidade de pessoas que partilham valores afins e têm a mesma profissão e assegurar um enquadramento adequado, que permita combater o desenraizamento social, solidão e desnorte que eventualmente possam sentir pelo exercício inicial de uma missão especialmente penosa em localidades completamente novas, em condições mínimas de bem-estar, que venha a contribuir para um bom ambiente que facilite a criação de laços solidários e uma boa integração profissional.

Estâncias de Férias

...

Está em... SS PSP Serviços Casas de Passantes Institucional